Gol vai cortar frequências para lidar com demanda menor e alta do dólar, diz presidente

quinta-feira, 17 de setembro de 2015 10:56 BRT
 

DIADEMA, São Paulo (Reuters) - A Gol não pretende cortar destinos neste ano, somente frequências dos voos, a menos que a situação econômica do país se agrave, disse o presidente executivo da empresa, Paulo Kakinoff, nesta quinta-feira.

A empresa prevê redução de 1 a 1,5 por cento das frequências em termos assentos/quilômetro em 2015 ante 2014, conforme os maiores custos com a alta do dólar e o arrefecimento da demanda pesam sobre a companhia.

"Não é possível prever o câmbio e por isso não posso precisar como e em quanto esse impacto de custo (causado pelo dólar) será transferido para as tarifas", disse o executivo.

(Por Priscila Jordão)