Dólar e desaquecimento da economia derrubam importações de diesel, diz ANP

quinta-feira, 17 de setembro de 2015 15:45 BRT
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O desaquecimento da economia e a alta do dólar reduziram drasticamente as importações de diesel feitas pelo Brasil em agosto, e o consumo menor do país está sendo suprido quase completamente pela produção interna, afirmou nesta quinta-feira o superintendente de Abastecimento da agência reguladora do setor de petróleo (ANP), Aurélio Amaral.

A conjuntura é completamente diferente dos últimos anos, quando a demanda era tão alta que, mesmo com as refinarias da Petrobras no máximo da capacidade, o país precisava importar grandes volumes.

"Com o desaquecimento da economia, é natural que se reduza essa demanda, então praticamente a gente está atendendo a demanda com a produção interna", afirmou Amaral à Reuters.

Em agosto deste ano, as importações de diesel caíram 97 por cento ante julho e recuaram 95 por cento ante o mesmo mês de 2014, para 181.558 barris, segundo os últimos dados publicados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Em agosto, o país teve as importações mensais de diesel menos volumosas desde os 37.707 barris de maio de 2006, segundo a ANP.

Já no acumulado do ano até agosto, as compras externas caíram 25 por cento frente ao mesmo período do ano passado, para 32,221 milhões de barris.

A queda acentuada em agosto, na avaliação de Amaral, também teve a contribuição da desvalorização do real frente ao dólar. A moeda norte-americana já subiu mais de 40 por cento no ano e chegou a ser negociada acima de 3,90 reais nesta quinta-feira.

"A importação esteve mais firme no início do ano e no fim do ano passado em função de preços menores. Agora, mesmo o petróleo estando barato e o preço do diesel mais atrativo lá fora, você tem um dólar que está muito alto. Então isso faz com que essa diferença do preço se perca", explicou o superintendente da ANP.   Continuação...