Petrobras propõe reajuste abaixo da inflação e sindicato conclama greve

sexta-feira, 18 de setembro de 2015 09:21 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras apresentou aos petroleiros proposta de reajuste salarial de 5,73 por cento, um índice abaixo da inflação, segundo informou sindicato da categoria, que indica rejeição da oferta e conclama os trabalhadores à greve.

"A Petrobras joga proposta da categoria no lixo e propõe ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) mais rebaixado dos últimos anos", disse a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), em nota em seu site.

Segundo a categoria, a rejeição da proposta da empresa e greve unificada para reafirmar a pauta reivindicatória é a única alternativa para os trabalhadores.

O índice proposto, que representa cerca de 60 por cento da inflação (IPCA), demonstra claramente que "a política da direção da empresa está alinhada com o pacote de ajuste econômico do governo federal", disse a FNP.

A empresa também está propondo o congelamento dos valores de alguns adicionais, gratificações e benefícios, o que resultará em perdas significativas para os trabalhadores, de acordo com a federação.

"Outro grande ataque aos direitos já conquistados pela categoria está claramente estampado no Benefício Farmácia, que a Petrobras quer fazer retroceder..."

Segundo a FNP, o sindicato está indicando uma greve unificada por tempo indeterminado em todo o Sistema Petrobras a partir de zero hora de 24 de setembro.

A Petrobras confirmou que apresentou às entidades sindicais na quinta-feira proposta de reajuste salarial de 5,73 por cento.

"Em relação à greve anunciada pelas entidades, a Petrobras informa que tomará todas as medidas para garantir o abastecimento do mercado, preservando a segurança das operações e dos trabalhadores", afirmou a estatal em nota.

(Por Roberto Samora)

 
Sede da Petrobras, no centro do Rio de Janeiro.  29/06/2015   REUTERS/Pilar Olivares