Arrecadação tem pior desempenho para agosto em 5 anos, em meio à fraqueza econômica

sexta-feira, 18 de setembro de 2015 20:05 BRT
 

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - A arrecadação federal com impostos e contribuições em agosto teve o pior desempenho para o mês em cinco anos, ressaltando as dificuldades que o governo enfrenta para reaquilibrar as suas contas em meio à recessão econômica.

A arrecadação teve queda real de 9,32 por cento em agosto sobre igual mês do ano passado, para 93,738 bilhões de reais, no pior declínio mensal registrado neste ano, informou a Receita Federal nesta sexta-feira. Em termos nominais, a arrecadação recuou pela primeira vez no ano, em 0,68 por cento.

A Receita Federal destacou que o desempenho de agosto foi prejudicado pela base de comparação, já que no mesmo mês do ano passado houve o ingresso de 7,13 bilhões de reais em receita extraordinária decorrente do programas de parcelamento de dívidas tributárias. Neste ano, a arrecadação nessa mesma linha foi de 2,248 bilhões de reais em agosto.

Sem contabilizar essa receita extraordinária, a arrecadação em agosto teve queda real de 4,26 por cento em relação ao mesmo mês do ano passado, com forte efeito da recessão econômica sobre a arrecadação.

O recolhimento do Imposto de Renda para Pessoas Jurídicas e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), por exemplo, caiu 35,5 por cento sobre agosto de 2014.

"Os números apurados na arrecadação estão em linha com o desempenho da atividade econômica", disse o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita, Claudemir Malaquias.

Da mesma forma, houve declínio anual no recolhimento de IR para Pessoa Física (-28,1 por cento), IPI (-19,0 por cento) e Cofins e PIS/Pasep (-3,1 por cento).

Por sua vez, a receita previdenciária sofreu retração de 9,2 por cento em agosto sobre um ano antes, num reflexo da deterioração do mercado de trabalho e da massa salarial.   Continuação...