Congresso analisa vetos nesta 3ª e governo espera ter votos para mantê-los

terça-feira, 22 de setembro de 2015 22:29 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O Congresso Nacional realiza sessão nesta terça-feira para analisar vetos presidenciais, e o líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), disse que o Palácio do Planalto espera ter os votos necessários para manter as negativas da presidente Dilma Rousseff, algumas delas a projetos que, de acordo com o Executivo, teriam grande impacto nas contas públicas.

A decisão de realizar uma sessão do Congresso, que reúne Câmara dos Deputados e Senado, para analisar vetos feitos por Dilma foi consensual durante reunião de líderes do Senado com o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), segundo lideranças da oposição e da base presentes no encontro.

"A gente espera ter os votos necessários pela manutenção dos vetos. Trabalhamos desde a semana passada nisso", disse Delcídio, esclarecendo que se referia à situação no Senado. No entanto, um veto presidencial só é derrubado se houver 257 votos na Câmara e 41 no Senado. Se o número mínimo for atingido em apenas uma das Casas, o veto fica mantido.

Também presente no encontro com Renan, a líder do PCdoB, Vanessa Grazziotin (AM), disse que até mesmo a oposição se mostrou "muito colaborativa" durante a reunião.

"O próprio DEM vai ter votos a favor de manter os vetos e o PSDB vai liberar a bancada", afirmou Grazziotin.

Mais cedo, Renan chegou a afirmar que o mais recomendável era adiar a sessão do Congresso para não permitir uma desarrumação fiscal.

Na mesma linha de Delcídio, uma fonte do governo disse que o quadro de votação da análise dos vetos mudou de segunda-feira para esta terça e que o governo acredita agora que será possível manter as negativas de Dilma.

A eventual derrubada de alguns vetos, como o dado à proposta que reajustava em até 78,6 por cento os salários dos servidores do Judiciário, pode ter impacto nas contas públicas.

Nas contas do governo, caso este veto caia, o impacto nas contas públicas será de 36 bilhões de reais até 2019, justamente em um momento que o governo busca equilibrar as contas públicas, depois de apresentar uma proposta orçamentária para o ano que vem com um rombo de 30,5 bilhões de reais.

(Por Leonardo Goy; Reportagem adicional de Lisandra Paraguassu)

 
Congresso Nacional. 27/6/2014  REUTERS/Jorge Silva