Alta do dólar favorece vendas antecipadas de soja; especulações limitam negócios

quarta-feira, 23 de setembro de 2015 16:05 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A alta do dólar, que rompeu nesta semana a barreira de 4 reais, tem dado liquidez ao mercado de soja no Brasil, com produtores aproveitando os valores na moeda local para fechar vendas antecipadas da nova safra, embora especulações sobre o futuro da taxa de câmbio mantenham alguns vendedores ainda retraídos.

"O pessoal está beliscando, participando (do mercado), mas sem grandes volumes, até porque há muita especulação em relação a onde poderá ser o teto do dólar", disse o diretor de Inteligência de Mercado da corretora Cerealpar, Steve Cachia.

Na avaliação dele, a comercialização antecipada está em entre 45 e 50 por cento do volume a ser colhido em 2015/16.

Recente relatório do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) mostra que os produtores de Mato Grosso já venderam 40 por cento da safra 2015/16. Um ano atrás, os negócios fechados estavam em apenas 11 por cento.

Na avaliação do diretor da consultoria AGR Brasil, Pedro Dejneka, pequenos produtores de soja, menos atentos aos fundamentos do mercado, são os mais retraídos no momento, enquanto agricultores de grande porte, com visão mais técnica, têm aproveitado os repiques das cotações para garantir a receita.

"Entre o produtor pequeno e médio, 90 por cento fizeram tudo errado nos últimos anos na hora de comercializar e se deram bem. Eles acertaram, fazendo tudo errado", afirmou Dejneka, descrevendo o comportamento dos que preferem esperar e apostar numa alta maior ainda da moeda norte-americana.

"Ele (dólar) pode até continuar subindo, porque há uma festa de especulação, mas a hora que a festa acabar não será suave, vai ser um fim de festa amargo", disse o analista.

O banco Credit Suisse elevou nesta quarta-feira sua projeção para o dólar, dizendo que a moeda deve atingir 4,25 reais em três meses e 4,50 reais em doze meses, contra 3,65 e 4,10 reais, respectivamente, na previsão anterior, citando riscos aos planos fiscais do governo brasileiro no curto prazo e a grande probabilidade de novos rebaixamentos da nota de crédito do Brasil.

A moeda norte-americana tocou máxima de 4,15 reais nesta quarta.   Continuação...