Bovespa cai 2% pressionada por situação fiscal e cenário externo

quarta-feira, 23 de setembro de 2015 17:52 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou em queda pelo quarto pregão seguido nesta quarta-feira e com o seu principal índice abaixo dos 46 mil pontos, tendo como pano de fundo o cenário externo desfavorável e persistentes preocupações com a situação fiscal do país.

O Ibovespa caiu 2 por cento, a 45.340 pontos, menor patamar em quase um mês. Apenas nos últimas quatro pregões, o índice de referência do mercado acumulou queda de 6,6 por cento. O giro financeiro somou 7 bilhões de reais.

Wall Street também fechou no vermelho, embora longe das mínimas do dia, com dados industriais fracos da China e Estados Unidos, que afetaram mercados emergentes em geral, com o índice MSCI caindo mais de 2 por cento.

O declínio das commodities foi mais um fator de pressão para o Ibovespa, com o índice da Thomson Reuters para tais produtos revertendo os ganhos da primeira etapa do dia e recuando 1,25 por cento.

No front doméstico, o Congresso Nacional manteve, em sessão que se estendeu pela madrugada desta quarta-feira, boa parte dos vetos presidenciais a medidas com potencial impacto nas contas públicas, mas adiou dois dos temas mais polêmicos, entre eles reajuste para o Judiciário.

O gestor Eduardo Roche, da Canepa Asset Management, disse que permanecem os temores com a situação fiscal e o risco de novo rebaixamento da nota de crédito soberana. "Se os vetos fossem derrubados seria o caos, mas a manutenção não muda o panorama."

As expectativas acerca da votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que recria a CPMF e da reforma ministerial, bem como a missão da Fitch Ratings no país, também seguiram endossando cautela no mercado brasileiro.

Para a equipe de estratégia da Itaú Corretora, as ações não estão baratas como parecem e é muito cedo para comprar papéis brasileiros. No ano, o Ibovespa acumula queda de 9,33 por cento em reais e de 42 por cento em dólar.   Continuação...