Greve de fiscais agropecuários afeta produção e exportação de aves e suínos

quinta-feira, 24 de setembro de 2015 11:05 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A greve dos fiscais federais agropecuários, iniciada na quinta-feira da semana passada, causa prejuízos vultosos e impacta a produção e as exportações do setor de aves e suínos do país, disse nesta quinta-feira a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa grandes indústrias do setor, como BRF e JBS.

A entidade disse que um levantamento mostrou que milhares de toneladas de produtos estão represadas nos processos de exportações, que fábricas estão reduzindo ou paralisando a produção por falta de espaço para estocar produtos e que contratos de exportação estão ameaçados.

A entidade não dimensionou as perdas financeiras, mas destacou que as exportações de aves e de suínos atraem para o país mais de 100 milhões de reais por dia em negócios.

Segundo a ABPA, o setor tem enfrentado prejuízos não apenas com a perda dos embarques nos navios, mas com custos para a manutenção de estruturas logísticas que estão paradas, aguardando a liberação das cargas.

"Infelizmente, o setor de proteína animal, que vinha registrando crescimento em plena crise econômica nacional, está sendo afetado e pode perder uma valiosa oportunidade de trazer ainda mais divisas, em um momento delicado para o país", disse o presidente-executivo da ABPA, Francisco Turra, em nota.

A entidade disse que está em contato com o governo federal e líderes dos grevistas para pedir o avanço das negociações e o fim da paralisação.

Na quarta-feira, a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) disse que a greve já impede o desembarque no exterior de algumas cargas brasileiras de milho, soja e algodão que ainda não receberam um certificado fitossanitário.

Com a paralisação, o certificado que normalmente é emitido após a saída do navio do Brasil ainda não está de posse de alguns exportadores cuja carga já chegou a países importadores.

Com a paralisação, 7 mil contêineres com produtos de exportação e importação estavam retidos no porto de Santos, o maior do país, no início desta semana, informou anteriormente o Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical).

(Por Gustavo Bonato)