Governo central reduz gastos e déficit primário cai para R$5 bi em agosto

terça-feira, 29 de setembro de 2015 19:02 BRT
 

Por Luciana Otoni

BRASÍLIA (Reuters) - O governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência Social) registrou déficit primário de 5 bilhões de reais em agosto, metade do registrado no mesmo mês do ano passado, com redução dos gastos de custeio e adiamento do pagamento do 13º de aposentados, informou o Tesouro Nacional nesta terça-feira.

Mas no acumulado do ano, o rombo das contas do governo central chega a 14 bilhões de reais, ante um superávit primário de 4,69 bilhões de reais no mesmo período do ano passado, em meio a uma economia em recessão.

O resultado de agosto, apesar de deficitário, veio melhor do que o esperado por parte do mercado. A equipe do Banco Fator, por exemplo, esperava rombo primário nde cerca de 10 bilhões de reais.

O déficit menor decorreu de despesas mais baixas com custeio, pagamento de abono salarial e seguro desemprego.

O adiamento do paramento referente à primeira parcela do 13º de aposentados e pensionistas, no valor 3,9 bilhões de reais, também ajudou.

"O déficit menor em agosto, de fato, surpreendeu", disse o economista sênior da Haitong, Flávio Serrano.

No mês passado, a receita líquida do governo central somou 78,886 bilhões de reais, queda real (descontada a inflação) de 12,7 por cento sobre agosto de 2014. No acumulado do ano, a receita líquida soma 683,214 bilhões de reais, 4,8 por cento menor em relação a igual período de 2014.

Já os gastos recuaram para 83,968 bilhões de reais em agosto, queda real de 17,5 por cento sobre igual mês de 2014. Entre janeiro e agosto, os gastos somaram 697,227 bilhões de reais, 2,1 por cento menos que a despesa total registrada no mesmo período do ano passado.   Continuação...