Chesf concluirá neste mês obras que permitirão acionar usinas eólicas paradas

quinta-feira, 1 de outubro de 2015 12:12 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A estatal de energia Chesf, do Grupo Eletrobras, pretende colocar em operação até 15 de outubro um grupo de subestações que permitirá o acionamento de cerca de 500 megawatts em usinas eólicas que estão hoje desligadas devido à falta de conexão com o sistema elétrico, afirmou à Reuters o presidente da companhia, José Carlos de Miranda.

A Chesf tem corrido contra o tempo para compensar atrasos no cronograma dessas e outras subestações e linhas de transmissão, com muitas usinas paradas há quase três anos devido à falta de conexão.

As subestações Lagoa Nova II, no Rio Grande do Norte, Igaporã III e Pindaí II, na Bahia, já estão em testes para serem conectadas, disse Miranda.

Entre as eólicas que estão prontas e apenas aguardam a conclusão dessas unidades para iniciar a geração de energia estão usinas dos grupos espanhóis Gestamp e Iberbrola, esta última em parceria com a brasileira Neoenergia.

"Sem dúvida, a entrada dessas usinas vai ajudar o sistema... neste momento, em que os reservatórios das hidrelétricas do Nordeste estão baixos, as eólicas têm sido muito importantes para atendimento à carga da região, e até para evitar um racionamento de energia no Nordeste", afirmou Miranda.

Parte das eólicas que poderá ser ligada com a conclusão das subestações está parada desde o início de 2013, quando estava previsto o início da produção de energia nos contratos originais.

MAIS ENTREGAS EM 2016   Continuação...