1 de Outubro de 2015 / às 20:09 / em 2 anos

Governo espera superávit comercial de US$15 bi em 2015 e acima de US$25 bi em 2016

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior estima um superávit da balança comercial em torno de 15 bilhões de dólares neste ano e acima de 25 bilhões de dólares em 2016, afirmou nesta quinta-feira o responsável pela pasta, Armando Monteiro Neto.

Segundo ele, boa parte do salto comercial esse ano e no próximo se dará pela valorização do dólar frente ao real que em 2015 supera os 50 por cento.

Até fevereiro, o Brasil tinha um déficit de 6 bilhões de dólares e com a virada no câmbio, já acumula até setembro 10 bilhões de dólares de saldo positivo, disse o ministro.

”Eu falava em 12 bilhões de saldo até pouco tempo, mas temos chances de fechar o ano com 15 bilhões de dólares de saldo favorável. É um resultado fantástico”, disse Monteiro a jornalistas, em evento na Associação Comercial do Rio de Janeiro.

“Seguramente nós teremos no próximo ano de gerar um superávit de mais de 25 bilhões de dólares”, complementou Monteiro.

No ano passado, o Brasil fechou com um saldo comercial negativo de cerca de 4,5 bilhões de dólares, afirmou.

AJUDA, MAS NÃO RESOLVE

O ministro disse que a valorização do dólar ante o real ajuda, mas não resolve os problemas de competitividade do país. Segundo Monteiro, um dólar justo seria abaixo de 4 reais.

“É evidente que volatilidade cambial não é boa. O que seria interessante seria uma estabilização do câmbio que ofereça uma remuneração e uma certa compensação aos custos elevados que o Brasil tem em logística, infraestrutura e sistema tributário”, afirmou Monteiro.

“O câmbio compensa, mas não resolve; não é a solução de todos os problemas... o patamar para exportação é bastante razoável, mas há ainda uma certa sobrevalorização baseada no momento de instabilidade”, disse o ministro.

Se por um lado o câmbio aumenta a competitividade dos exportadores brasileiros, por outro aumenta os custos e o endividamento das companhias nacionais, principalmente aquelas que tem insumos cotados em dólares e dívidas em moeda norte americana. “Esse é uma quadro que nos preocupa, mas há muitas empresas com mecanismos de proteção”, disse Monteiro.

Por Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below