Dólar sobe 0,93% e volta a R$4 por incerteza política

quinta-feira, 1 de outubro de 2015 17:14 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou com alta de cerca de 1 por cento e voltou a 4 reais nesta quinta-feira, com investidores adotando posturas mais defensivas em meio às incertezas políticas e econômicas do país.

O dólar avançou 0,93 por cento, a 4,0024 reais na venda. Na mínima da sessão, atingiu 3,9378 reais e, na máxima, foi a 4,0210 reais.

Na véspera, a moeda norte-americana recuou mais de 2 por cento, reagindo a esperanças de menos tensão entre o Palácio do Planalto e o Congresso, mas ainda marcou em setembro a terceira alta mensal consecutiva.

"O mercado aqui está muito sensível a qualquer pressão de alta", disse o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado.

Ele ressaltou que as recentes turbulências financeiras levaram investidores a reduzirem suas posições no mercado, o que acentua a volatilidade do mercado. "Qualquer lote faz preço", resumiu.

O nervosismo nesta sessão foi corroborado pela notícia de que o Congresso adiou para a próxima terça-feira a análise dos vetos presidenciais, que têm impacto sobre o reequilíbrio das contas públicas. Os atritos entre o Legislativo e o Executivo têm deixado o mercado nervoso, principalmente em meio aos esforços da oposição pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff.

"O clima político segue ruim, apesar da reforma de Dilma", escreveram analistas da Guide Investimentos em nota a clientes, referindo-se à expectativa de que o atual ministro da Defesa, Jacques Wagner, assuma a Casa Civil no lugar de Aloizio Mercadante, com esperanças de suavizar a relação com o Congresso. A reforma ministerial deve ser divulgada nesta sexta-feira.

O BC reagiu às turbulências recentes reforçando sua intervenção no câmbio com leilões de venda de dólares com compromisso de recompra, conhecidos como leilões de linha, e de novos swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares. Neste pregão e no da véspera, no entanto, não fez nenhum leilão de linha.   Continuação...