Plantio de soja em MT tem pequeno avanço na semana, atinge 1,67% da área

sexta-feira, 2 de outubro de 2015 13:36 BRT
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - O plantio de soja em Mato Grosso, maior produtor da oleaginosa do Brasil, avançou lentamente nesta semana, tendo atingido 1,67 por cento da área estimada até 1º de outubro, com produtores cautelosos em meio a chuvas escassas, de acordo com dados do Instituto Mato Grossense de Economia Agropecuária (Imea) publicados nesta sexta-feira.

O Mato Grosso, que responde por cerca de 30 por cento da colheita de soja do Brasil, avançou nesta semana apenas 1 ponto percentual no plantio da safra 2015/16 em relação ao período anterior, que marcou o início dos trabalhos.

O plantio está atrasado ante o ano passado em meio a chuvas irregulares em 2015, com produtores arriscando menos e sem pressa de soltar as sementes nos campos, com expectativas de que a segunda safra de algodão, plantada após a soja, será menor --em alguns anos, alguns produtores correm com a oleaginosa para depois contar com condições climáticas favoráveis para a pluma.

Em 2 de outubro de 2014, os produtores tinham plantado 4,55 por cento da área, um índice maior que o deste ano também por conta de chuvas mais frequentes em setembro do ano passado que permitiram um trabalho antecipado, disse o Imea à Reuters, ressaltando que a semeadura costuma em geral ganhar força no início de outubro.

Segundo o Imea, o atraso ante o ano passado é mais em virtude da semeadura "anormal" que aconteceu na safra 14/15, quando os trabalhos precoces nos campos resultaram até mesmo em perdas para algumas áreas que não tiveram volumes subsequentes de chuvas após o plantio.

Em 3 de outubro de 2013, por exemplo, o plantio esteve em linha como ritmo deste ano, em 1,4 por cento, citou o Imea.

Segundo o agrometeorologista da Somar Marco Antônio dos Santos, o fenômeno climático El Niño deve manter essa irregularidade de chuvas na região Centro-Oeste até novembro, quando as precipitações deverão se regularizar.

Por isso, produtores estão cautelosos em iniciar o plantio precocemente este ano, para minimizar o risco de perdas, diante de custos mais altos pelo dólar forte, que encarece insumos.   Continuação...