Ibovespa tem maior alta em 10 meses com reforma ministerial e dados dos EUA

sexta-feira, 2 de outubro de 2015 18:20 BRT
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa teve sua maior alta em mais de 10 meses nesta sexta-feira, refletindo a recepção positiva do mercado ao anúncio de reforma ministerial pela presidente Dilma Rousseff e a dados de emprego dos Estados Unidos que podem fazer com que o banco central norte-americano demore mais para elevar a taxa de juro do país.

O Ibovespa subiu 3,8 por cento, a 47.033 pontos, maior alta desde 21 de novembro de 2014, tendo caído 0,75 por cento no pior momento do dia. Na semana, o Ibovespa avançou 4,9 por cento. O giro financeiro do pregão totalizou 5,4 bilhões de reais.

Dilma anunciou redução de oito ministérios, como parte de uma reforma que deve gerar uma economia de 20 por cento nos gastos de custeio e contratação de serviços de terceiros e de 10 por cento na remuneração de ministros.

"O mercado interpreta isso como uma ação, algo que o governo não fez em nenhum momento e tinha ficado devendo. Agora cortou na carne", disse o analista Raphael Figueredo, da Clear Corretora, para quem a situação política instável está entre os principais fatores de pressão para as ações brasileiras.

Figueredo apontou ainda que a Bovespa teve o amparo dos índices norte-americanos, que caíram pela manhã mas acabaram fechando com ganho superior a 1 por cento.

No exterior, o foco foram os dados de emprego dos EUA que mostraram que o setor privado norte-americano, excluindo o agrícola, criou 142 mil postos de trabalho em setembro, enquanto dados de agosto foram revisados para mostrar ganho de apenas 136 mil vagas. Foi o menor ganho em dois meses em mais de um ano.

Os dados alimentaram temores de que a desaceleração global, especialmente da China, esteja enfraquecendo os EUA. Mas, no curto prazo, o dado foi visto como maior chance do banco central norte-americano elevar o juro do país só em 2016, o que é positivo para mercados emergentes como o Brasil, disse o operador de renda variável Luiz Roberto Monteiro, da Renascença DTVM.

  Continuação...