Indústrias de soja projetam safra recorde no Brasil e recuperação de estoques

segunda-feira, 5 de outubro de 2015 14:53 BRT
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil deverá produzir um recorde de 97,8 milhões de toneladas de soja em 2015/16, alta de 3,2 por cento ante 2014/15, mas boa parte deste volume adicional ficará estocado no país, com pouca repercussão nos volumes exportados, estimou nesta segunda-feira a associação que reúne as grandes indústrias e tradings do setor.

Os embarques do grão deverão subir apenas 0,8 por cento em 2016 e o processamento cairá 0,2 por cento, enquanto os estoques de soja ao final do próximo ano deverão saltar 110 por cento, disse a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove).

As reservas de soja no país ao fim de 2016, projetadas em 4,39 milhões de toneladas, serão as maiores desde 2011 e voltarão ao patamar médio do período entre 2005 e 2010.

A recuperação dos estoques será em decorrência de um crescimento de embarques do Brasil no menor ritmo em quatro temporadas e de uma estabilização no esmagamento.

As exportações brasileiras foram projetadas em um recorde de 52,8 milhões de toneladas, ante um volume revisado de 52,4 milhões de toneladas.

"Tem disponiblidade de soja fora do Brasil", disse à Reuters o analista econômico da Abiove, André Aguiar, referindo-se à grande oferta principalmente do maior concorrente do Brasil, os Estados Unidos, que estão começando a colheita de uma safra perto de recorde, de 107 milhões de toneladas.

As exportações também não crescerão muito no Brasil em 2016 porque o volume de 2015 está cada vez mais elevado.

Em agosto, a Abiove havia previsto embarques para este ano de 50,3 milhões de toneladas. O ajuste de 2,1 milhões na previsão deve-se ao bom desempenho das vendas externas nos últimos meses, favorecido pela competitividade proporcionada pelo real desvalorizado, explicou Aguiar.   Continuação...

 
Fazendeiro Rudelvi Bombarda observa plantação de soja em Barreiras, na Bahia. 06/02/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino