Ex-executivo do UBS evita cadeia depois de cooperar com autoridades dos EUA

segunda-feira, 5 de outubro de 2015 17:55 BRT
 

MIAMI, Estados Unidos (Reuters) - Um ex-executivo suíço que confessou ser culpado por ajudar norte-americanos de esconder dinheiro de autoridades foi condenado nesta segunda-feria a cinco anos de prisão condicional e multado em 150 mil dólares, afirmou seu advogado.

Hansruedi Schumacher, 57, foi indiciado em 2009 e acusado de conspirar contra os Estados Unidos. Ele poderia ser condenado a seis anos de prisão mas promotores pediram ao juiz uma pena menor por causa de sua cooperação com as investigações.

Schumacher foi gerente de mercados regionais da divisão norte-americana do banco suíço UBS entre a década de 1990 e meados de 2002. Após sua prisão em 2014, ele cooperou como testemunha-chave no caso contra Raoul Weil, um ex-executivo de alto escalão do UBS responsável por gestão de 4 trilhões de dólares em ativos.

Durante o julgamento, Schumacher descreveu como banqueiros suíços viajavam com frequência para os Estados Unidos com notebooks equipados com discos rígidos secretos e detalhes de contas de clientes guardadas entre páginas de jornais e revistas.

Ele testemunhou que Weil fazia parte de uma comissão do UBS que lidava com o programa da receita federal dos EUA para identificar esquemas de sonegação de impostos norte-americanos ao redor do mundo.

Apesar disso, Schumacher admitiu durante interrogatório que Weil não estava envolvido em planos para guiar clientes do UBS para companhias em paraísos fiscais que pudessem proteger seus ativos das autoridades fiscais norte-americanas.

Um júri levou apenas 75 minutos para absolver Weil após um julgamento que durou três semanas.

As autoridades dos EUA acusaram mais duas dezenas de pessoas de evasão fiscal por meio de bancos suíços desde 2008. Em 2009, o UBS pagou 780 milhões de dólares em multas e entregou os nomes de mais de 4 mil clientes.

(Por Zachary Fagenson)