S&P 500 e Nasdaq caem com início da temporada de balanços

terça-feira, 6 de outubro de 2015 18:14 BRT
 

Por Noel Randewich

(Reuters) - O índice S&P 500 fechou em queda nesta terça-feira, interrompendo uma sequência de cinco altas seguidas, com os investidores voltando as atenções à esperada temporada de balanços, que deve mostrar queda nos resultados corporativos.

O avanço de 7,67 por cento nas ações DuPont ajudou a manter o Dow Jones em território positivo, após a presidente- executiva da companhia, Ellen Kullman, anunciar que deixará o cargo. No entanto, o S&P 500 e o Nasdaq perderam terreno, com uma forte queda nas ações de biotecnologia.

O índice Dow Jones subiu 0,08 por cento, a 16.790 pontos, enquanto o S&P 500 perdeu 0,36 por cento, a 1.979 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuou 0,69 por cento, a 4.748 pontos.

O índice do setor de saúde do S&P 500 caiu 2,33 por cento, no pior desempenho entre os 10 principais índices setoriais do S&P. O setor está sob intenso escrutínio devido aos elevados preços dos medicamentos. O índice de biotecnologia no Nasdaq caiu 3,77 por cento, recuperando-se de perdas mais profundas de cerca de 6,6 por cento.

Nas cinco sessões anteriores, o S&P 500 acumulou ganho de 5,6 por cento, o melhor desempenho para o período de cinco dias desde 2011, após dados mais fracos do mercado de trabalho nos EUA indicar a fraqueza econômica, mas também diminuir as expectativas de que o Federal Reserve, banco central dos EUA, eleve a taxa de juros este ano.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou a projeção para crescimento global pela segunda vez este ano, citando os fracos preços de commodities e a desaceleração na China.

Ressaltando as preocupações com a economia mundial, as empresas do S&P 500 devem apresentar queda de 4,2 por cento nos lucros na divulgação dos resultados do terceiro trimestre, a maior queda em seis anos, de acordo com dados da Thomson Reuters.

"Faz algum tempo desde que entramos numa temporada de balanços com uma expectativa tão baixa e isso tipicamente funciona como favorável às ações", disse o presidente-executivo da Horizon Investment Services, Chuck Carlson.