Companhia aérea Azul refaz planos diante de demanda fraca e dólar em alta

quinta-feira, 8 de outubro de 2015 14:06 BRT
 

Por Priscila Jordão

CAMPINAS, São Paulo (Reuters) - A Azul deve ter crescimento de pouco menos de 4 por cento na oferta neste ano, embora tenha capacidade em aeronaves para crescer 15 por cento, disse o presidente da companhia aérea, Antonoaldo Neves, em meio ao cenário desafiador criado pelas crises econômica e política do país.

A empresa deve voar menos horas por aeronave e antecipar a devolução de aviões ATR e Embraer em leasing para aumentar a taxa de ocupação.

"Hoje a frota está estável. Ainda não diminuímos, mas tínhamos previsão de crescer", disse o executivo a jornalistas nesta quinta-feira.

O indicador que mede preços de passagens, o yield, continua em "estado de atenção" no Brasil. A Azul vê recuperação moderada no segundo semestre, mas com cautela, tendo em vista a base de comparação fraca do ano passado.

Na operação internacional, a Azul suspendeu planos de voar para Nova York e não tem planos de lançar novos voos no momento, com a alta do dólar e a fraqueza da demanda pesando sobre a lucratividade.

Neves disse que a passagem de ida e volta para os Estados Unidos custa agora a partir de 400 dólares, podendo chegar a 350 com promoções. Isso se compara a cerca de 800 dólares quase um ano atrás -- a Azul começou a realizar voos para o país em dezembro de 2014.

"A demanda está mais fraca... (A operação internacional) mal está lucrativa. Agosto não foi lucrativo, dezembro e janeiro, alta temporada, esperamos que seja. Novembro deve ficar em break even (equilíbrio entre receitas e despesas)", disse Neves nesta em evento para apresentar a remodelagem interna das aeronaves Airbus A330.

No plano de negócios da Azul, a empresa esperava ter lucratividade para a operação internacional um ano depois do seu início, o que a alta do dólar vem dificultando.   Continuação...