Para Lagarde, é possível ter que buscar alternativas à reforma no FMI

sexta-feira, 9 de outubro de 2015 07:35 BRT
 

LIMA (Reuters) - A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou na quinta-feira que a instituição pode avançar com medidas interinas para dar aos mercados emergentes mais voz, apesar de um impasse no Congresso dos Estados Unidos sobre a aprovação das reformas.

As reformas definidas em 2010 colocarão Brasil, China, Índia e Rússia entre os 10 principais acionistas do fundo, mas elas ainda precisam de aprovação do Congresso norte-americano, frustrando os mercados emergentes que buscam mais poder de voto e provocando alertas da Europa sobre os perigos de isolamento dos EUA.

As autoridades do FMI têm dito que vão apresentar ideias sobre como avançar com a reforma até meados de dezembro. Lagarde afirmou que o tempo está acabando.

"Se demorar mais um pouco, teremos que avaliar uma solução alternativa", disse ela em entrevista à imprensa, acrescentando que isso não seria uma substituição de uma reforma completa.

Uma opção é um aumento ad hoc à cota de importantes economias emergentes, sem exigir qualquer mudança na posição dos EUA, embora o grupo de 24 economias em desenvolvimento mantenha a pressão para uma alternativa mais radical.

Adotar medidas que fiquem no meio termo reduziria a pressão sobre o Congresso dos EUA para ratificar as mudanças.

(Reportagem de Krista Hughes e Jan Strupczewski)

 
Diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, durante evento em Lima.  08/10/2015   REUTERS/Guadalupe Pardo