VW desenvolveu diversas versões de software para fraudar testes de emissões, dizem fontes

segunda-feira, 19 de outubro de 2015 09:08 BRST
 

BERLIM/LOS ANGELES/DETROIT (Reuters) - A Volkswagen fez diversas versões do software criado para enganar testes de emissão de poluentes, disseram à Reuters três pessoas próximas ao tema, potencialmente sugerindo um complexo esquema de trapaças cometido pela montadora alemã.

Durante os sete anos das fraudes confessas, a Volkswagen alterou software ilegal para quatro tipos de motores, disseram as fontes, que incluem um gerente da VW com conhecimento do tema e uma autoridade norte-americana próxima à investigação.

Porta-vozes da VW na Europa e nos Estados Unidos não quiseram comentar se a empresa desenvolveu múltiplos aparelhos para fraudar os testes, afirmando que há investigações em curso tanto na empresa como por autoridades nas duas regiões.

Questionada sobre o número de pessoas que poderiam ter tido conhecimento da fraude, um porta-voz dos escritórios da companhia em Wolfsburg, Alemanha, disse: "estamos trabalhando intensamente para investigar quem sabia o que e quando, mas ainda é muito cedo para dizer".

Alguns especialistas da indústria e analistas disseram que a existência de diversas versões do dispositivo levanta a possibilidade de que uma série de funcionários possa estar envolvida. Técnicos de software teriam de obter financiamento regular e conhecimento da programação dos motores, disseram.

O número de pessoas envolvidas é uma questão central para investidores, porque pode afetar o tamanho de potenciais multas e a amplitude das mudanças na administração da empresa, disse Arndt Ellinghorst, analista da consultoria Evercore ISI.

"Quando mais gente de alto escalão estiver envolvida, mais a companhia é considerada responsável e merecedora de punições mais sérias", disse Brandon Garrett, especialista em crime corporativo da Escola de Direito da Universidade de Virgínia, nos Estados Unidos.

A Volkswagen admitiu em 18 de setembro ter usado um software que poderia identificar quando um veículo a diesel estava sendo testado e com isso reduzir temporariamente as emissões tóxicas de gases para conseguir passar nos testes de reguladores norte-americanos.

 
Motor de carro da Volkswagen em loja da VW em Nova York.   21/09/2015   REUTERS/Shannon Stapleton