Perspectivas de inflação pioram e economistas veem taxa de juros a 12,75% em 2016

segunda-feira, 19 de outubro de 2015 09:14 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Economistas de instituições financeiras continuam vendo maior pressão inflacionária neste e no próximo ano, mesmo com a economia chegando a uma contração de 3 por cento em 2015, e diante disso elevaram a perspectiva para a taxa básica de juros em 2016.

A pesquisa Focus do Banco Central, divulgada nesta segunda-feira, apontou que a expectativa agora para a alta do IPCA em 2016 é de 6,12 por cento, contra 6,05 por cento anteriormente, na 11ª vez seguida de piora.

A projeção com isso está cada vez mais longe do centro da meta do governo para o ano que vem de 4,5 por cento, com tolerância de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, dificultando a determinação do BC de guiar as expectativas para o centro da meta no final de 2016.

Os preços administrados são uma importante fonte de pressão, com expectativa de avanço de 6,35 por cento no final de 2016, alta de 0,08 ponto percentual em relação à pesquisa anterior.

Para 2015, o levantamento semanal com uma centena de especialistas mostrou piora de 0,05 ponto percentual na projeção para a alta do IPCA, a 9,75 por cento, com a alta dos preços administrados mantendo-se em 16 por cento.

A valorização do dólar também pesa sobre a alta dos preços, devendo se prolongar para o ano que vem. Entretanto a projeção para a moeda norte-americana permaneceu em 4 reais para este ano e caiu a 4,13 reais em 2016, contra 4,15 reais anteriormente.

O cenário inflacionário tem repercutido nas projeções dos analistas para a política monetária, sendo que para 2016 a projeção subiu a 12,75 por cento, contra 12,63 por cento na mediana das expectativas da pesquisa anterior.

Mas para este ano eles não mudaram a estimativa de que a Selic será mantida em 14,25 por cento na reunião desta semana do Comitê de Política Monetária (Copom), terminando 2015 neste patamar

Já sobre a economia, o cenário de forte crise política e econômica afetando a confiança de agentes econômicos e consumidores continua a prejudicar as expectativas.   Continuação...