Geração de eletricidade na China cai 3% em setembro, demanda industrial em baixa

segunda-feira, 19 de outubro de 2015 10:34 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - A China produziu 454,8 bilhões de kilowatt-hora (kWh) em energia elétrica em setembro, ou 3,1 por cento a menos que no mesmo mês do ano passado, apontou o departamento estatal de estatísticas nesta segunda-feira, com a demanda industrial ainda sob pressão conforme a economia desacelera.

O crescimento da geração de energia tem caído neste ano como resultado da queda nos níveis de consumo em indústrias em baixa, como a de aço, que têm enfrentado dificuldades devido a altas taxas de ociosidade e preços fracos.

A economia da China registrou no terceiro trimestre crescimento econômico abaixo de 7 por cento pela primeira vez desde a crise financeira global.

Com a China tentando reduzir sua dependência de combustíveis fósseis, a redução na demanda por eletricidade teve impacto relevante nas usinas térmicas do país, normalmente responsáveis por cerca de três quartos da produção.

As térmicas a carvão, predominantes, produziram 314,6 bilhões de kWh em setembro, 3,6 por cento de queda na comparação anual, e responderam por 69 por cento da geração total.

No trimestre, a geração térmica caiu 2,2 por cento, comparada a um aumento de 0,1 por cento na geração das demais fontes de energia.

A demanda em queda nas térmicas ajudou a reduzir a produção de carvão da China em 2,2 por cento em setembro.

Já o consumo de energia elétrica atingiu 456,3 bilhões de kWh, queda de 0,2 por cento na comparação anual, com baixa de 2,9 por cento no consumo industrial.

A capacidade instalada da China, contando unidades com mais de 6.000 kilowatts, atingiu 1.385 gigawatts ao final de setembro, 9,4 por cento acima do mesmo mês do ano passado. O número representa cerca de 10 vezes o parque gerador brasileiro, hoje com 138,8 gigawatts.

(Por David Stanway)