Indústria de petróleo confia em abertura para novas empresas no pré-sal do Brasil

quarta-feira, 21 de outubro de 2015 15:46 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - As empresas da indústria de petróleo no Brasil estão otimistas em convencer o governo a alterar o regime de partilha da produção no pré-sal e retirar a obrigatoriedade da Petrobras ser operadora única, afirmou nesta quarta-feira o diretor do Instituto Brasileiro do Petróleo, Flávio Rodrigues.

A mudança poderia, segundo Rodrigues, contribuir com uma maior arrecadação para o governo, que tem lutado para cortar gastos orçamentários e aplicar um ajuste fiscal.

Segundo o diretor do IBP, dados e fatos demonstram a necessidade de se fazer uma revisão e aprimoramento de algumas políticas.

"Acho que o governo tem sido receptivo a isso. Talvez a rapidez não seja... a que a gente precisa... mas há otimismo e persistência do setor de levar (o pleito) em frente", disse Rodrigues a jornalistas, após participar de evento na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp).

O diretor defendeu que, caso fossem permitidos mais operadores nos campos do pré-sal, o governo poderia monetizar mais rapidamente o petróleo disponível, tanto com a cobrança de bônus nas licitações como com a própria arrecadação gerada pela produção dos campos, que geram royalties e outras receitas.

"Talvez a monetização dessas reservas fosse mais rápida... e a apropriação dos bônus desses leilões iria para o caixa do governo", apontou o executivo.

Rodrigues disse que a indústria sempre defendeu a flexibilização do regime de partilha de produção, e que uma eventual decisão nesse sentido poderia aumentar a atratividade dos investimentos no pré-sal para as empresas.

"É inquestionável que o pré-sal tem um potencial grande... é questão de calibrar na regulamentação. Essa limitação é um fator que reduz a aceleração (dos investimentos) de que o país precisa de repente para monetizar essas reservas. Há alguns fatores que ajudariam, sim (a aumentar a atratividade), independente do preço do barril hoje", afirmou.

O executivo afirmou que o governo federal já tem conhecimento dos pleitos do setor, que foram apresentados de maneira estruturada ao Ministério de Minas e Energia, à ANP e a outras autoridades em um documento que tem sido chamado pelo IBP de "agenda prioritária".

(Por Luciano Costa)