22 de Outubro de 2015 / às 20:49 / em 2 anos

CCR assume projeto para construir novo aeroporto em SP

SÃO PAULO (Reuters) - A concessionária de infraestrutura CCR anunciou nesta quarta-feira que assumiu os direitos de um contrato de opção de compra de um terreno em que o grupo pretende construir o terceiro aeroporto da região metropolitana de São Paulo.

Em fato relevante, a CCR afirmou que seus acionistas, os grupos Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, abriram mão de certas pré-condições para repassar à companhia o direito de assumir a opção do direito de preferência para compra do imóvel.

Pelo acerto, Andrade Guitierrez e Camargo Corrêa dispensam a CCR de ressarcimento dos valores já ao antigo dono do terreno, mas pedem uma “análise oportuna” do reembolso das despesas incorridas na elaboração dos estudos do aeroporto.

Com isso, a CCR deve levar adiante o projeto batizado de Nasp (Novo Aeroporto de São Paulo) em Caieiras, que fica a cerca de 30 quilômetros da capital paulista, mas que depende de aval regulatório do governo federal.

Com área de 12,8 milhões de metros quadrados, o terreno, que fica entre as rodovias Anhanguera e Bandeirantes, já administradas pela CCR, deve custar à companhia o equivalente a 323 milhões de reais, disse à Reuters o diretor de novos negócios da companhia de infraestrutura, Leonardo Vianna.

Segundo ele, estudos preliminares encomendados pela CCR indicam que o novo aeroporto pode ter capacidade para tráfego de 50 milhões a 60 milhões de passageiros por ano, incluindo voos domésticos e internacionais.

“Agora vamos começar a trabalhar para conseguir aprovação do governo federal para o aeroporto”, disse Vianna.

Segundo o executivo, os demais aeroportos da região metropolitana já estão com a capacidade esgotada (Congonhas) ou se esgotando (Guarulhos). A previsão da CCR é de que o projeto tenha investimentos de 7 bilhões a 8 bilhões de reais.

O novo aeroporto vai disputar mercado com Guarulhos, atualmente administrado por um consórcio que tem entre os principais sócios a Invepar, que por sua vez tem o grupo OAS entre os principais investidores. O terminal em Caieiras também vai disputar mercado com o aeroporto Viracopos, em Campinas, administrado por companhia que tem entre os maiores acionistas os grupos Triunfo e UTC Participações.

OAS, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e UTC tiveram negócios abalados pelo envolvimento no escândalo de corrupção apurado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

O grupo CCR deu uma guinada recente em direção ao setor aeroportuário, enquanto enfrenta revezes com governos estaduais em serviços de concessão de rodovias e barcas.

A companhia enfrenta na Justiça um embate com o governo paulista referente a um aditivo de reequilíbrio financeiro ao contrato de concessão do sistema Anhanguera-Bandeirantes, do qual a empresa detém a concessão e que teria impacto nos preços dos pedágios.

E sua concessionária CCR Barcas, que opera o sistema de transporte aquaviário no Rio de Janeiro, pediu para devolver a concessão, cujo contrato valia até 2023, alegando também desequilíbrio financeiro do contrato.

No começo deste mês, a CCR anunciou a compra da prestadora norte-americana de serviços aeroportuários TAS, por 21,7 milhões de dólares. Desde 2011, a CCR comprou fatias em administradoras de aeroportos no Equador, na Costa Rica e Curaçao.

Por Aluisio Alves

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below