Hypermarcas pode vender área de fraldas para Kimberly-Clark, diz fonte

quinta-feira, 22 de outubro de 2015 20:32 BRST
 

Por Guillermo Parra-Bernal

SÃO PAULO (Reuters) - A Hypermarcas está em negociações avançadas para vender sua divisão de fraldas para o grupo norte-americano Kimberly-Clark, estreitando o foco da empresa brasileira sobre produtos farmacêuticos, disse nesta quinta-feira uma fonte com conhecimento direto do assunto.

A fonte, que não quis ser identificada porque as negociações estão em curso, não informou o preço da transação. Um acordo será anunciado nos próximos dias, acrescentou a fonte.

A Hypermarcas havia contratado Citigroup, Bank of America Merrill Lynch e o Banco Bradesco BBI para encontrar alternativas para a unidade de fraldas, disseram fontes à Reuters recentemente. As alternativas incluíram uma potencial cisão, parcerias ou até mesmo envolver uma venda de ativos, de acordo com um documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no início de maio.

A Hypermarcas não se pronunciou sobre o assunto de imediato. O porta-voz da Kimberly-Clark, Bob Brand, disse que a empresa não comenta rumores ou especulações.

Segundo a fonte, a Hypermarcas quer sair do mercado de fraldas porque o desempenho foi prejudicado por falta de escala, reconhecimento da marca e aumento do custo de insumos importados para o produto em meio à desvalorização do real ante o dólar.

Além da Kimberly-Clark, a Hypermarcas também tinha oferecido a unidade de fraldas a um grupo de empresas que inclui a chilena Empresas CMPC, Procter & Gamble e Svenska Cellulosa.

Inicialmente Hypermarcas pretendia levantar cerca de 1,5 bilhão de reais com a venda da unidade, que detém as marcas Sapeka e Pompom.