Chefe da Airbus pede que Alemanha abra mercado de trabalho a refugiados

domingo, 25 de outubro de 2015 16:41 BRST
 

BERLIM (Reuters) - A Alemanha deve desregulamentar o seu mercado de trabalho e criar empregos com remuneração menor para ajudar os refugiados a encontrar trabalho e se integrar melhor na sociedade, afirmou neste domingo o presidente-executivo da Airbus, o maior grupo aeroespacial da Europa.

A Alemanha espera que pelo menos 800.000 imigrantes cheguem ao país neste ano, quase 1 por cento da população, muitos deles fugindo de conflitos na Síria e em outros lugares. Políticos e economistas têm alertado que o fluxo de imigrantes vai elevar o desemprego na maior economia da Europa.

"Precisamos ter a coragem de desregulamentar da maneira que até agora nós conhecemos nos Estados Unidos", escreveu o alemão Tom Enders ao jornal Sueddeutsche.

"Isso parece difícil de imaginar. Mas lá, você vê uma integração bem-sucedida dos imigrantes que estão autorizados a trabalhar logo depois que chegam", afirmou.

A Alemanha deve fazer exceções para o salário mínimo e oferecer mais flexibilidade com contratos de curto prazo, disse.

"Se o limite para a entrada no mercado de trabalho é muito alto, a integração dos imigrantes na sociedade irá falhar", escreveu Enders.

Alguns economistas têm argumentado que o fluxo de imigrantes poderia oferecer mão de obra qualificada, especialmente em algumas áreas onde há falta, como engenharia, e impulsionar o crescimento econômico.