Destino das moedas de países emergentes está nas políticas de juros dos países ricos

segunda-feira, 26 de outubro de 2015 09:36 BRST
 

Por Wayne Cole

SYDNEY (Reuters) - O destino das moedas de mercados emergentes depende cada vez mais da perspectiva das taxas de juros nos países desenvolvidos, em meio à expectativa de que seus bancos centrais mantenham a política monetária frouxa por mais algum tempo.

Desde que a China provocou uma depreciação inesperada do iuan em agosto, o declínio resultante de várias moedas de mercados emergentes tem produzido um pulso desinflacionário que o mundo está pouco preparado para enfrentar.

O perigo era claramente real no pensamento do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, na quinta-feira, quando ele garantiu mais um afrouxamento em dezembro.

"Os riscos para a perspectiva de crescimento da zona do euro continuam, refletindo em particular as elevadas incertezas sobre o desenvolvimento das economias dos mercados emergentes", alertou Draghi, mandando o euro para mínimas de dois meses.

Essas pressões também foram citadas como motivo pelo qual o Federal Reserve, banco central norte-americano, ter descartado a chance de elevar os juros em setembro.

Em um recente e muito discutido discurso, a integrante do conselho do Fed Lael Brainard citou as pressões deflacionários que emanam dos mercados emergentes como o centro de um forte argumento contra um aperto "prematuro" da política monetária.

Alimentando essas preocupações está a queda nas moedas de mercados emergentes provocada em parte por preocupações de que juros mais altos nos EUA vai tirar o capital de países que já lutam com altas dívidas em moeda estrangeira.