REEDIÇÃO-Grandes grupos garantirão arrecadação federal em leilão de hidrelétricas

segunda-feira, 26 de outubro de 2015 17:41 BRST
 

(Repete texto para esclarecer nome da analista da KPMG no 6º parágrafo)

Por Luciano Costa e Marcelo Teixeira

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - Concessões de importantes hidrelétricas deverão garantir boa parte dos 17 bilhões de reais que o governo federal pretende arrecadar com a cobrança de bônus de outorga no leilão previsto para o dia 6 de novembro, com o certame atraindo grandes grupos nacionais e internacionais para ativos bilionários, segundo especialistas ouvidos pela Reuters.

"Apesar do momento econômico que o país vive, temos grandes grupos capacitados a entrar para não termos um leilão vazio... a expectativa do mercado é de um deságio baixo, um volume pequeno de concorrentes, mas grupos sólidos... o momento não tem espaço para aventureiros", apontou a diretora da KPMG, Franceli Jodas.

O bônus de outorga a ser pago pelo vencedor foi previamente estabelecido pelo governo federal, que precisa de recursos extras para fechar suas contas, enquanto o ganhador do certame será aquele que se comprometer a receber a menor receita em relação ao preço teto definido.

No leilão serão disputadas 29 usinas, mas o grande interesse dos investidores é nas hidrelétricas Ilha Solteira e Jupiá, cuja concessão pertencia à Cesp, e Três Marias, que era da Cemig --que juntas somam 15 bilhões de reais em outorgas, ou quase 90 por cento da arrecadação esperada.

A outorga de Ilha Solteira, a quarta maior hidrelétrica do Brasil, foi estabelecida em 9,1 bilhões de reais.

Segundo Franceli, essas três usinas --situadas no Sudeste, a região mais rica do país-- já garantirão o sucesso do certame, considerando a questão arrecadatória.

Os concessionários desses ativos já afirmaram que querem manter as concessões. A Cesp, por exemplo, disse que buscará parceiros para disputar o certame, enquanto a Cemig disse que buscaria recursos no mercado para também entrar na concorrência.   Continuação...