Fed deve manter juros em meio a ceticismo de investidores

quarta-feira, 28 de outubro de 2015 07:25 BRST
 

Por Lindsay Dunsmuir e Jason Lange

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve, banco central norte-americano, deve deixar inalterada a taxa de juros nesta quarta-feira e pode ter dificuldades para convencer investidores céticos de que pode apertar a política monetária antes do fim do ano diante dos obstáculos econômicos globais e dos Estados Unidos.

O mais poderoso banco central do mundo não eleva os juros há cerca de uma década e os mercados não veem virtualmente nenhuma chance de o Fed fazer isso ao final de dois dias de reunião de política monetária. O Fed vai anunciar sua decisão sobre os juros às 16h (horário de Brasília).

Uma série de dados fracos sobre as economias dos EUA e globais alimentou uma disputa pública entre a chair do Federal Reserve, Janet Yellen, e outras autoridades do banco central, provocando especulações de que o Fed vai aguardar até 2016 para iniciar o ciclo de altas ante a taxa perto de zero atual.

Quarenta e seis economistas consultados pela Reuters esperam de forma unânime que o Fed mantenha sua taxa nesta quarta-feira entre 0 e 0,25 por cento, faixa em que está desde 2008, quando adotou um esforço para ajustar a economia diante de uma recessão severa.

Uma maioria apertada dos economistas espera alta de juros em dezembro. Os mercados financeiros dão uma chance de apenas 30 por cento para uma alta de dezembro e chance de 54 por cento de que isso aconteça em março.

Um sinal de que a alta dos juros está chegando será difícil em parte porque Yellen, que tem dito que juros mais altos serão "apropriados" este ano, não dará entrevista à imprensa após o final da reunião.

O Fed pode abrir algum caminho para o aperto ao usar seu comunicado de política para sinalizar que tem menos preocupações com o crescimento global. Recentes relatórios econômicos dos EUA, entretanto, têm levantado dúvidas sobre a força da maior economia do mundo, e pode levar semanas para que os membros do banco central tenham novos dados suficientes para se sentirem confortáveis em elevar os juros.