Indústria do aço chinesa deve ser forçada a fazer cortes maiores na produção

quarta-feira, 28 de outubro de 2015 11:18 BRST
 

Por Ruby Lian e David Stanway

XANGAI (Reuters) - As siderúrgicas chinesas devem ser forçadas a fazer cortes mais profundos em sua produção nos próximos meses, com a diminuição da demanda, os crescente prejuízos e o crédito mais restrito minando as companhias do país líder mundial em produção de aço, disseram analistas e autoridades do setor.

A indústria tem desafiado a pressão para fazer grandes cortes até agora, apesar de o resultado final do setor siderúrgico estar em dificuldades e os esforços para ampliar exportações terem irritado produtores rivais em vários países, desde a Índia até os Estados Unidos.

As principais siderúrgicas sofreram prejuízos totais de 28,12 bilhões de iuanes (4,42 bilhões de dólares) nos primeiros três trimestres de 2015, disse a Associação de Ferro e Aço da China.

"Desde 2010, departamentos do governo emitiram 20 documentos de políticas para eliminar capacidade ineficiente, e algumas foram fechadas, mas o excesso de capacidade ainda não caiu", disse à Reuters o vice-presidente da associação, Zhu Jimin.

Mas com os preços do aço em seus níveis mais baixos em décadas, as siderúrgicas estatais estão começando a fechar usinas.

Já as siderúrgicas privadas operando com prejuízo correm o risco de irem à falência se os bancos exigirem o pagamento dos empréstimos.

"É uma tendência clara que o crédito está ficando cada vez mais restrito. Uma vez que a corrente de dinheiro seja cortada, as siderúrgicas vão falir", disse a repórteres Xu Lejiang, presidente da Baosteel.

(Reportagem adicional por Coco Li)