Fibria revisa investimento em Três Lagoas de US$2,5 bi para US$2,2 bi

quarta-feira, 4 de novembro de 2015 11:33 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Fibria disse que o investimento total na ampliação da fábrica de celulose de Três Lagoas (MS) foi reduzido para 2,2 bilhões de dólares, ante previsão inicial de 2,5 bilhões de dólares, após negociações com fornecedores e a estruturação final do financiamento do projeto.

A maior produtora de celulose de eucalipto do mundo disse ter conseguido acertar compras de equipamentos e financiamento em condições mais favoráveis, o que permitiu a revisão do orçamento do projeto.

A expansão vai elevar a capacidade de produção da Fibria das atuais 5,3 milhões de toneladas de celulose por ano para mais de 7 milhões de toneladas. A previsão é de que a nova linha produtiva, cujas obras já estão em curso, inicie operação no quarto trimestre de 2017.

Apesar da queda do valor do investimento em dólares, o valor em reais subiu de 7,7 bilhões para 8,7 bilhões por conta da variação cambial desde que a decisão da empresa em seguir com o projeto foi tomada mais cedo neste ano.

A perspectiva anterior, de que o custo da obra por tonelada de celulose fosse de 1.428 dólares, caiu para 1.189 dólares após as negociações com fornecedores e instituições financeiras, segundo o presidente da Fibria, Marcelo Castelli. Isso também porque a perspectiva agora é de chegar a uma capacidade maior de produção, de 1,85 milhão de toneladas, ante 1,75 milhão de toneladas anteriormente.

Em comunicado nesta quarta-feira, Fibria disse ainda que o custo médio de financiamento do projeto ficou em 2 por cento ao ano em dólar.

"A solução financeira para o projeto irá melhorar a qualidade de crédito da companhia, reduzindo o juro médio de 3,3 para 2,8 por cento, com vencimento com prazos mais longos", disse a companhia em comunicado.

A Fibria disse que 30 por cento do volume total do financiamento (2,6 bilhões de reais) virão de seu próprio caixa e 20 por cento (1,7 bilhão de reais) do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) caso o projeto, atualmente em fase de análise no banco, seja aprovado.

A empresa emitiu 675 milhões de reais em Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), operação que dará acesso a uma parcela maior do crédito do BNDES em TJLP.   Continuação...