China pede a Congresso dos EUA que ratifique reformas de cota do FMI, diz vice-ministro

quinta-feira, 5 de novembro de 2015 11:16 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - A China pediu aos Estados Unidos que adotem o quanto antes reformas para dar aos mercados emergentes maior voz no Fundo Monetário Internacional (FMI), disse o vice-ministro das Finanças do país, Zhu Guangyao, nesta quinta-feira.

Os planos definidos em 2010 de dar aos mercados emergentes maior poder de voto e dobrar os recursos do FMI têm sido postergados uma vez que o Congresso norte-americano ainda não aprovou as mudanças.

Zhu também disse em uma reunião que a China vai prestar muita atenção à reunião do Federal Reserve, banco central dos EUA, em dezembro, a qual pode resultar na primeira elevação da taxa de juros no país em quase uma década.

A chair do Fed, Janet Yellen, sinalizou na quarta-feira a perspectiva de uma alta em dezembro, mas disse que os juros só serão elevados gradualmente a partir de então para alimentar a recuperação econômica dos EUA. [nL1N12Z2GJ]

Zhu reiterou que os fundamentos econômicos da China são sólidos apesar de problemas como o excesso de capacidade.

(Por Jenny Su e Nick Heath)