BHP Billiton revisa meta de produção de minério após desastre em Mariana

segunda-feira, 9 de novembro de 2015 07:47 BRST
 

SIDNEY (Reuters) - A BHP Billiton (BHP.AX: Cotações) (BLT.L: Cotações) informou que está revisando sua meta de produção de minério de ferro para o ano fiscal de 2016 após o desastre provocado pelo rompimento de barragens da Samarco em Mariana (MG), que analistas descreveram como um duro golpe para a maior mineradora do mundo.

Ao menos duas pessoas morreram e pelo menos 28 estão desaparecidas desde que o rompimento das barragens da Samarco, uma joint venture da BHP com a Vale (VALE5.SA: Cotações), provocou uma enxurrada de água e lama com restos de minerais, alagando áreas a até 100 quilômetros de distância do ponto de rompimento.

A Samarco disse que não estabeleceu ainda uma data para retomar o funcionamento da mina, que produziu 29 milhões de toneladas de minério de ferro no ano passado.

A parte da BHP representou cerca de 6 por cento de sua produção total de minério no ano até o fim de junho de 2015 e contribuiu com cerca de 3 por cento do lucro principal antes de juros e impostos, embora analistas afirmem que o possível custo do desastre seria mais significativo para a companhia.

"É provavelmente a última coisa de que a companhia precisa, dado que ela está com dificuldade para gerar lucros, a caminho de pagar dividendos a partir de dívida, e agora eles têm esse caso", disse Ric Ronge, gestor de portfólio da Pengana Capital.

"Em dólares e em termos de sua capacidade de operar responsavelmente, é muito significativo", disse Ronge, se recusando a dar uma estimativa sobre quanto o custo do acidente pode representar.

A BHP planejava produzir 247 milhões de toneladas no ano fiscal até 30 de junho de 2016 antes do desastre, alta de 6 por cento sobre um ano antes, o que a coloca atrás da Vale e da Rio Tinto (RIO.AX: Cotações) (RIO.L: Cotações).

A Samarco tem capacidade de produção de 30,5 milhões de toneladas ao ano de pelotas de minério de ferro e de processar 32 milhões de toneladas de concentrado de ferro anualmente.

(Por James Regan, reportagem adicional de Sonali Paul)

 
Destroços de uma casa após desastre provocado pelo rompimento de barragens da Samarco em Mariana, Minas Gerais.  06/11/2015   REUTERS/Ricardo Moraes