Projeção para Selic em 2016 sobe a 13,25% e inflação se aproxima do teto da meta, mostra Focus

segunda-feira, 9 de novembro de 2015 09:40 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A expectativas para a a taxa básica de juros no fim de 2016 subiram após o Banco Central indicar que pode elevar a Selic se entender necessário, ao mesmo tempo em que as estimativas para a inflação no próximo ano chegaram praticamente ao teto da meta na pesquisa Focus do Banco Central.

O levantamento com uma centena de especialistas mostrou que permanece em 14,25 por cento a projeção para a Selic no fim deste ano, mas a projeção para 2016 alcançou 13,25 por cento, contra 13 por cento anteriormente.

O diretor de Política Econômica do BC, Altamir Lopes, passou na semana passada a mensagem de que o BC fará o que for preciso para levar a inflação ao centro da meta em 2017. E apesar de seguir acreditando na manutenção do atual patamar da Selic para ter sucesso na tarefa, poderá elevá-la se entender necessário, mesmo diante da fraqueza econômica.[nL1N1301YI]

Para a inflação, a pesquisa mensal mostrou que os economistas consultados agora veem alta de 6,47 por cento do IPCA em 2016, 0,18 ponto percentual maior do que o avanço previsto na semana anterior. Com isso, a alta dos preços praticamente atingiria o teto da meta do governo, que é de 4,5 por cento com tolerância de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Para este ano, a piora na estimativa de alta do IPCA, a oitava seguida, foi de 0,08 ponto percentual, para 9,99 por cento.

A projeção para o aumento dos preços administrados chegou a 17 por cento neste ano, contra 16,50 por cento no levantamento publicado na semana passada, e a 6,95 por cento em 2016, ante 6,75 por cento.

Em outubro, o IPCA acelerou a alta a 0,82 por cento, maior nível para o mês em 13 anos, pressionado principalmente pelo reajuste dos preços de combustíveis e pela valorização do dólar.[nL1N1310KC]

O cenário para a economia também continua se deteriorando, em um ambiente atual de forte recessão, turbulências fiscais e políticas e desemprego em alta.

A expectativa de contração do Produto Interno Bruto neste ano agora é de 3,10 por cento, contra queda de 3,05 por cento no levantamento anterior. Para 2016 é esperada uma retração de 1,90 por cento, maior do que o recuo de 1,51 por cento estimado previamente.

(Por Camila Moreira)

 
Sede do Banco Central, em Brasília.  23/09/2015    REUTERS/Ueslei Marcelino