Aumenta pressão sobre a Vale diante de tragédia em Minas Gerais

terça-feira, 10 de novembro de 2015 21:15 BRST
 

Por Marta Nogueira e Stephen Eisenhammer

MARIANA, Minas Gerais (Reuters) - Com o desespero inicial causado pelo rompimento de duas barragens da mineradora Samarco em Minas Gerais se transformando em raiva, parlamentares brasileiros cobraram nesta terça-feira regras mais duras no novo código de mineração e a gigante Vale começou a sofrer maior pressão para ajudar as famílias afetadas e conter o impacto ambiental.

Em cinco dias de esforços para encontrar desaparecidos, seis mortos foram encontrados, dos quais quatro identificados, e 21 vítimas permanecem desaparecidas, em um dos piores desastres da indústria de mineração da história do Brasil.

A tragédia desencadeou investigações do Ministério Público e estimulou cobranças por regras mais rigorosas para a indústria de mineração, um grande gerador de empregos e receitas para o setor público.

O relator do novo Código da Mineração, deputado Leonardo Quintão (PMDB-MG), afirmou à Reuters na terça-feira que planeja adicionar medidas para tornar a regulação mais rigorosa sobre barragens de rejeitos da atividade.

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, reconheceu que as regras estaduais de mineração não são suficientes e seus assessores disseram que devem repensar seus esforços para acelerar os licenciamentos.

A crítica pública caiu em primeiro lugar sobre a operadora Samarco, mas o centro das atenções voltou-se para os grandes nomes por trás da joint venture, detida pela australiana BHP Billiton, a maior empresa de mineração do mundo, e a Vale, a maior produtora mundial de minério de ferro.

"A Samarco é um nome fantasia, nós precisamos da BHP e da Vale para assumir responsabilidades por essa tragédia", disse Duarte Júnior, prefeito da cidade de Mariana.

  Continuação...

 
Placa rodoviária indica direção para barragens da Samarco, de propriedade da  Vale e da BHP Billiton, em Mariana (MG) 10/11/2015.  REUTERS/Ricardo Moraes