Google derrota maioria de pedidos em processo de rastreio de navegadores

quarta-feira, 11 de novembro de 2015 13:13 BRST
 

Por Jonathan Stempel

(Reuters) - Um tribunal de apelação norte-americano manteve o indeferimento de acusações federais e reviveu duas outras acusações de leis estaduais da Califórnia, acusando o Google de invadir a privacidade dos usuários de computadores ao permitir a recolocação de "cookies" em seus navegadores para rastrear seu uso da Internet.

O tribunal da Filadélfia rejeitou na terça-feira os pedidos de processo de ação coletiva contra o Google, que teria violado leis federais de escutas e fraude de computadores ao explorar falhas no navegador Safari da Apple e Internet Explorer da Microsoft.

Quatro usuários de computadores acusaram a Mountain View, unidade da Alphabet, de ignorar o bloqueio de cookies, ajudando anunciantes a mirar consumidores em potencial.

Mas em uma decisão de 60 páginas em nome de um painel de três juízes, o juíz Julio Fuentes disse que os queixosos não mostraram que eles sofreram "danos" ou "perdas" devido ao rastreio de seu uso de computadores.

Fuentes, no entanto, disse que a alegada violação do Google dos bloqueios de cookies, que a companhia prometeu publicamente respeitar, pode levar a um júri sensato entender que ele se envolveu em uma clamorosa conduta que violou os direitos de privacidade dos usuários sob a lei da Califórnia.

O Google concordou em 2012 e em 2013 a pagar 39,5 milhões de dólares para resolver acusações civis por parte da Comissão Comercial norte-americana, 37 Estados e Washington D.C. por ter rastreado usuários do Safari sem conhecimento deles. Mas a empresa não admite conduta ilícita.

Jay Barnes, advogado dos queixosos, se recusou a comentar, assim como o Google.

 
Homem usando computador em frente logo do Google, em fotografia ilustrativa tirada em Zenica.  29/10/2014    REUTERS/Dado Ruvic