Crise abre caminho para novas privatizações no setor elétrico, diz CPFL

sexta-feira, 13 de novembro de 2015 13:38 BRST
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A atual crise econômica do país e seus efeitos sobre o caixa da União, de Estados e municípios abrem caminho para um novo processo de privatização no setor elétrico, afirmou nesta sexta-feira o presidente da CPFL Energia, Wilson Ferreira Jr, em teleconferência de resultados com analistas.

Entre os ativos que poderiam ir a mercado dentro dessa lógica estariam distribuidoras de energia que terão a concessão renovada neste ano, como as estaduais CEEE e CEB, que atendem Rio Grande do Sul e Brasília, e as da Eletrobras, que a holding já declarou que pretende vender, a começar pela Celg, de Goiás.

"Não tenho dúvida de que alguns Estados, tendo renovado suas concessões, devem considerar a possibilidade de privatizações... o Estado pode ter uma solução de curto prazo, de caixa, e também a melhora de performance dessas empresas permite arrecadar mais imposto", afirmou Ferreira.

A venda de empresas pela Eletrobras e a realização, pelo governo federal, de um leilão da concessão de 29 hidrelétricas, agendado para 25 de novembro, também são vistas pelo executivo da CPFL como um sinal de que privatização "não é mais uma palavra proibida".

A desvalorização do real frente ao dólar, inclusive, deverá aumentar a atratividade dos ativos brasileiros para investidores estrangeiros, o que deverá aumentar o número de interessados em eventuais processos de venda de estatais, na avaliação de Ferreira.

CPFL SE PREPARA PARA COMPRAS

A CPFL está atenta a esse cenário e buscará oportunidades, mas mantendo uma disciplina financeira para evitar que seu nível de alavancagem ultrapasse um limite de 3,5 vezes a relação entre dívida líquida e Ebitda   Continuação...