Secretário do PAC diz que governo vai estudar 3o aeroporto em São Paulo

quarta-feira, 18 de novembro de 2015 11:57 BRST
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - O secretário do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Maurício Muniz, disse em evento da CCR nesta quarta-feira que o governo federal voltará a estudar o tema da construção de um terceiro aeroporto na região metropolitana de São Paulo, que o grupo pretende construir.

"A gente sabe que é um investimento importante para o Estado, é um momento em que estamos procurando novos investimentos", disse Muniz.

No entanto, ele afirmou ainda não ter uma posição mais definida sobre o tema, acrescentando apenas que se trata de um investimento que está "no radar" e "é importante que seja viabilizado".

Em outubro, a CCR anunciou que assumiu os direitos de um contrato de opção de compra de um terreno para o aeroporto. O projeto batizado de Nasp (Novo Aeroporto de São Paulo), em Caieiras, fica a cerca de 30 quilômetros da capital paulista e depende de aval regulatório do governo federal.

Estudos preliminares encomendados pela CCR indicam que o novo aeroporto pode ter capacidade para tráfego de 50 milhões a 60 milhões de passageiros por ano, incluindo voos domésticos e internacionais, disse à Reuters em outubro o diretor de novos negócios da CCR, Leonardo Vianna, estimando os investimentos no projeto como sendo da ordem de 7 bilhões a 8 bilhões de reais.

O novo aeroporto vai disputar mercado com Guarulhos, atualmente administrado por um consórcio que tem entre os principais sócios a Invepar, que por sua vez tem o grupo OAS entre os principais investidores. O terminal em Caieiras também vai disputar mercado com o aeroporto Viracopos, em Campinas, administrado por companhia que tem entre os maiores acionistas os grupos Triunfo e UTC Participações.

Em apresentação a investidores divulgada mais cedo, a CCR afirma que Viracopos é "muito distante", a cerca de 100 quilômetros da capital e que o terminal em Guarulhos estará saturado em cerca de 5 anos. Segundo a CCR, o deslocamento da capital para o Nasp leva, em média, 31 minutos a menos do que a ida até Guarulhos, no caso de 80 por cento da população com renda acima de cinco salários mínimos.

A CCR afirmou ainda na apresentação que o projeto do Nasp prevê construção de 17 mil vagas para veículos, duas pistas paralelas com capacidade para 62 movimentos por hora.