Governo pode subir alíquota de importação do aço, diz Levy

quarta-feira, 18 de novembro de 2015 12:23 BRST
 

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou nesta quarta-feira que o governo federal pode elevar a alíquota de importação do aço para atender os interesses nacionais em meio ao excesso de oferta vivido globalmente pela indústria siderúrgica.

Questionado a respeito do tema após participação em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Levy admitiu que o governo está estudando medidas que "eventualmente sejam compatíveis com investimento que foi feito na indústria do aço, mas que também não onerem inadequadamente outros setores".

"Houve uma expansão na produção de aço, alguns para exportação, alguns para o mercado doméstico e isso tem que ser bem analisado porque o mercado de aço hoje globalmente vive uma situação particular de excesso de oferta e, portanto, a gente tem que criar uma política que defenda os interesses nacionais", disse.

Segundo o ministro, o aumento da alíquota de importação é uma possibilidade.

"Talvez a mais óbvia, mas não necessariamente a melhor ou a mais permanente", ressalvou o titular da Fazenda, acrescentando que o governo federal está fazendo estudos e tem alternativas.

A indústria siderúrgica brasileira reclama há anos de importações diretas e indiretas de aço e de condições de competição desiguais. O alvo das queixas são os produtos vindos da China, país responsável por cerca de metade da produção mundial de aço.

No entanto, a desvalorização do real e queda na demanda interna têm pesado sobre as importações de produtos siderúrgicos este ano, que acumulam de janeiro a outubro queda de cerca de 15 por cento sobre um ano antes, a 2,959 milhões de toneladas, segundo dados do Instituto Aço Brasil (IABr).

Porém, mesmo com o recuo nas importações, a produção de aço bruto do Brasil no mesmo período tem queda de 1,3 por cento, a 28,2 milhões de toneladas, segundo o IABr.

Para analistas do BTG Pactual, a decisão sobre elevação ou não do imposto de importação deve sair no curto prazo. "Infelizmente, é um setor que não para de pé sozinho (no atual contexto global do mercado) e precisa de ajuda", afirmaram em nota a clientes.

A notícia sobre possível aumento do imposto animava forte alta nas ações do setor nesta quarta-feira. Usiminas tinha valorização de 17,5 por cento, CSN avançava 17,3 por cento e Gerdau mostrava ganho de 7,6 por cento, enquanto o Ibovespa tinha alta de 0,5 por cento.