Governo de SP vai conceder mais 2,2 mil km de estradas e cinco aeroportos

quinta-feira, 19 de novembro de 2015 13:16 BRST
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - O governo do Estado de São Paulo vai conceder à iniciativa privada 2,2 mil quilômetros de rodovias e cinco aeroportos, segundo plano de concessões de infraestrutura apresentado nesta quinta-feira e que inclui ainda metrô e ônibus e prevê investimentos de 13,4 bilhões de reais.

A expectativa do governo é que o plano atraia investidores nacionais, internacionais e recursos do mercado financeiro para os projetos.

As concessões de rodovias vão ocorrer em quatro lotes e exigir investimentos de 10,5 bilhões de reais em um prazo de 30 anos, cortando o Estado transversalmente e formando corredores de ligação entre Minas Gerais e Paraná.

Os lotes incluem 117 quilômetros da SP-055, passando por sete municípios, e 423 quilômetros das SP-079/SP-250, passando por 16 municípios. Com isso, a malha sob concessão de São Paulo será ampliada em 30 por cento, segundo o governo estadual. O edital de licitação deve ser publicado em abril.

Já os aeroportos a serem licitados estão nas cidades de Bragança Paulista, Campinas, Jundiaí, Ubatuba e Itanhaém. A concessão ocorrerá em um único lote e com investimento total previsto de 91,8 milhões de reais, também ao longo de 30 anos de concessão. O edital deve ser publicado em março. Atualmente os aeroportos são administrados pelo Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp).

"Quem já está no mercado vai participar, quem não está no mercado também e gente de fora vai participar", disse o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, acrescentando que, apesar da crise econômica, os investidores devem olhar para o longo prazo.

Alckmin também disse que haverá "respeito absoluto aos contratos" e "total segurança jurídica", apesar do ambiente de desconforto entre as concessionárias de rodovias criado por movimentos do governo para invalidar aditivos contratuais.

Segundo o governador, ainda não é possível saber quanto será arrecadado com as concessões, pois ainda é necessário finalizar editais e realizar audiências públicas.   Continuação...