Vendas de combustíveis no país caem em 2015 apesar de recorde no consumo de etanol

terça-feira, 12 de janeiro de 2016 17:33 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - As vendas de todos os combustíveis no Brasil recuaram pouco mais de 3 por cento em 2015 ante o ano anterior, apesar do forte aumento no consumo de etanol hidratado para volumes históricos, segundo dados publicados nesta terça-feira pelo sindicato das empresas distribuidoras de combustíveis (Sindicom).

O recuo das vendas das associadas do sindicato no período foi o primeiro pelo menos desde 2005 --segundo dados disponíveis do Sindicom--, em meio a uma crise econômica no país.

As vendas de etanol hidratado registraram o maior volume comercializado desde o início do programa do álcool, informou o Sindicom, com o combustível renovável mais competitivo frente a gasolina em importantes Estados consumidores na maior parte do ano.

As vendas do biocombustível somaram mais de 11 bilhões de litros, alta de 39,2 por cento em relação ao ano anterior.

"Na maior parte do ano, os preços do etanol hidratado tiveram uma paridade de preços favorável em relação à gasolina nos principais Estados produtores (São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul)", afirmou o Sindicom, na nota publicada nesta terça-feira.

Com o aumento da demanda pelo etanol, as vendas de gasolina sofreram queda de 8,6 por cento no mesmo período. Foi a primeira queda das vendas de gasolina das associadas do Sindicom desde 2009.

Quando somada a comercialização total de gasolina e etanol hidratado, considerando a equivalência energética dos produtos, houve uma redução de 1,7 por cento nas vendas. A queda, explicou o Sindicom, reflete o recuo estimado no consumo das famílias, da ordem de 2 por cento, segundo relatório do Banco Central.

Já as vendas de óleo diesel, diretamente impactadas pela atividade econômica de um país, caíram no Brasil 5 por cento em 2015 em relação ao ano anterior, refletindo a menor atividade econômica de acordo com as projeções do Produto Interno Bruto (PIB) para o ano de 2015, explicou o Sindicom.

"Apesar de a produção agropecuária apresentar um pequeno crescimento, a produção industrial e o setor de serviços devem apresentar maiores perdas, conforme relatório divulgado pelo Banco Central, impactando negativamente as vendas de diesel", afirmou o Sindicom na nota publicada nesta terça.   Continuação...