14 de Janeiro de 2016 / às 18:49 / 2 anos atrás

Divergência entre técnicos cria dificuldades em processo de venda da Celg

BRASÍLIA (Reuters) - Um impasse entre a área técnica da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e outras áreas de governo, inclusive o Tesouro Nacional, sobre a dívida da distribuidora Celg D junto a Itaipu tem criado dificuldades ao processo de privatização da empresa goiana, controlada pela Eletrobras, que pode ocorrer em 2016.

No fim do ano passado, quando aprovou a venda do controle da Celg Distribuição, a Assembleia Geral Extraordinária de acionistas da Eletrobras condicionou a operação à aprovação, pela Aneel, da proposta de repactuação da dívida da distribuidora goiana, de cerca de 450 milhões de dólares.

O montante, referente à Conta de Itaipu, precisaria ser convertido em moeda nacional, com posterior pagamento em até 120 meses (corrigidos pela taxa Selic), decidiu a assembleia, impondo condição para um negócio que pode atingir no mínimo cerca de 2,8 bilhões de reais, considerando também a parcela detida na companhia pelo Estado de Goiás.

No dia 23 de novembro passado, a Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira da Aneel emitiu ofício no qual afirmava não entender como viável a operação proposta para a Celg, "no que tange principalmente à conversão da dívida de dólares americanos para reais, o que poderia desequilibrar o Fundo de Repasse de Energia de Itaipu, já que ele é gerido na moeda estrangeira, e acarretar, inclusive, prejuízo ao consumidor”.

Apesar de a posição da Superintendência não ser conclusiva, pois o tema precisa ser deliberado em reunião colegiada da diretoria da agência, a Eletrobras reforçou o pedido e enviou à Aneel pareceres do Tesouro, do Ministério de Minas e Energia e da Advocacia-Geral da União para sustentar sua posição em favor da repactuação, segundo documentos da Aneel vistos pela Reuters.

O parecer do Tesouro anexado pela Eletrobras defende a operação e lembra que a dívida foi contraída entre 2008 e 2012, período em que a distribuidora esteve inadimplente com a conta de Itaipu.

Nesse período, segundo o Tesouro, foram os consumidores das demais distribuidoras que honraram os débitos da Celg e, nessa época, a taxa média de câmbio era de 1,83 real por dólar, enquanto a repactuação a ser aplicada, nos termos de lei aprovada em novembro passado, é de 2,69 reais.

"Ou seja, os consumidores de Itaipu (das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul) seriam compensados pela quitação de dívida da Celg D a uma taxa de câmbio ainda superior àquela utilizada anteriormente", diz o Tesouro.

A taxa de câmbio proposta na repactuação, porém, seria inferior à praticada atualmente, em torno de 4 reais por dólar.

Para o Tesouro, a não repactuação da dívida pode ser um empecilho à operação de venda da subsidiária estatal.

"Tendo em vista a atual situação financeira da empresa, a não conclusão do processo de desestatização poderia causar, inclusive, novos atrasos no pagamento das parcelas correntes à conta de comercialização de Itaipu, onerando novamente os demais consumidores da energia de Itaipu", diz a nota do Tesouro anexada ao processo.

A proposta de repactuação da dívida da empresa baseia-se em artigo de lei sancionada no ano passado, fruto da conversão da Medida Provisória 677, que autoriza a Aneel a anuir com repactuação de dívidas setoriais em moeda estrangeira de empresas incluídas no Programa Nacional de Desestatização (PND). Pela lei, a conversão do câmbio deve ser feita com base no primeiro dia útil do ano em que se deu a inclusão da empresa no PND.

Conforme admitiu à Reuters uma fonte do governo, sob a condição de anonimato, o dispositivo legal foi feito "sob medida para a Celg" e permite fixar o câmbio da repactuação à taxa de 2,69 reais.

Segundo essa mesma fonte, entre o fim desta semana e o início da próxima, a Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira da Aneel deverá apresentar sua nota técnica definitiva sobre o assunto, abrindo caminho para que o assunto comece a ser apreciados pela diretoria.

O primeiro passo será a escolha de um relator para o caso, que vai elaborar um relatório a ser submetido ao colegiado.

"O assunto não está redondo e gera questionamentos. O benefício previsto em lei é apenas para a Celg ou para todo o sistema no país? Isso tem de ficar claro", disse a fonte, referindo-se ao artigo da lei que autoriza a Aneel a avaliar a repactuação "que venha a gerar benefícios potenciais à prestação do serviço público de distribuição de energia".

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below