China começará a implementar compulsório para alguns bancos em mercado internacional do iuan

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016 10:20 BRST
 

Por Sue-Lin Wong e Michelle Chen

PEQUIM (Reuters) - O banco central da China informou nesta segunda-feira que começará a implementar uma taxa de depósito compulsório nos depósitos domésticos de bancos que atuam no mercado internacional do iuan, no que parece ser mais uma tentativa de conter a especulação sobre a moeda chinesa e controlar o dinheiro que entra e sai do país.

Confusão sobre a política cambial da China e seu compromisso com as reformas provocou tumulto nos mercados financeiros globais nas últimas semanas uma vez que o banco central permitiu que o iuan caísse com força e então agiu de forma agressiva para tentar estabilizá-lo.

Fontes disseram à Reuters no domingo que o BC chinês estaria se preparando para elevar ao nível normal a taxa de compulsório na próxima semana para depósitos em iuan em empresas de clearing bancário. A taxa atualmente é de zero.

Nesta segunda-feira o BC confirmou que a medida entrará em vigor em 25 de janeiro, dizendo que isso ajudará a determinar um mecanismo de longo prazo para regular o fluxo de fundos entre mercados e ajudará instituições financeiras que atuam no mercado internacional a gerenciar melhor sua liquidez em iuan.

Mas não fez nenhuma menção a elevar restrições a bancos em seu comunicado, acrescentando incerteza nos mercados. A taxa normal de compulsório na China é de 17,5 por cento para bancos grandes e de 15,5 por cento para os menores.

Alguns analistas disseram que o anúncio pode ser um alerta mais simbólico aos bancos, com o objetivo de desencorajá-los a serem ativos demais em transações internacionais com o iuan como parte de uma campanha mais ampla do BC para estabilizar a moeda.

O iuan no exterior atingiu neste mês o nível mais baixo desde que as negociações começaram em 2010 devido a temores de que a China estaria planejando desvalorizar com força a moeda para ajudar sua economia.

(Reportagem adicional de Donny Kwok em Hong Kong)

 
Bandeira chinesa em agência do Banco da China em Londres. 07/01/2016 REUTERS/Toby Melville