Expansão da China no 4º tri é a mais fraca desde 2009 e aumenta pressão sobre governo

terça-feira, 19 de janeiro de 2016 09:07 BRST
 

Por Kevin Yao e Xiaoyi Shao

PEQUIM (Reuters) - O crescimento econômico da China desacelerou no quarto trimestre para o ritmo mais fraco desde a crise financeira, ampliando a pressão sobre um governo que já luta para restaurar a confiança dos investidores após a percepção de passos errados ter afetado os mercados globais.

As preocupações com a capacidade em torno das políticas da China atingiram o topo da lista de riscos dos investidores globais para 2016 após nova queda nos mercados acionários e no iuan ter provocado temores de que a economia pode estar se deteriorando rapidamente.

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) desacelerou como esperado a 6,8 por cento ante o ano anterior, contra 6,9 por cento no terceiro trimestre, no ritmo mais fraco de expansão desde o primeiro trimestre de 2009.

A expansão em 2015 como um todo de 6,9 por cento, invejável pelo padrões ocidentais, foi a mais fraca para a China em 25 anos.

Outros dados nesta terça-feira sugeriram que a segunda maior economia do mundo perdeu mais força em dezembro, afetando as esperanças de que uma série de medidas de estímulo do governo adotadas ao longo de um ano estariam finalmente fazendo efeito.

Mas dito isso, não havia sinais do derretimento que alguns operadores temiam.

Zhang Yiping, economista do China Merchants Securities, disse que o mercado imobiliário é o principal culpado pelas dificuldades da China em melhorar o desempenho.

"A política para impulsionar o setor imobiliário conduzida em 2015 ainda não teve efeito. Vejo mais riscos para o crescimento econômico da China em 2016."   Continuação...

 
Bandeira chinesa na sede do banco central do país, em Pequim. 19/01/2016  REUTERS/Kim Kyung-Hoon