FMI corta projeção de crescimento global por China e queda do preço do petróleo

terça-feira, 19 de janeiro de 2016 10:58 BRST
 

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou nesta terça-feira suas projeções de crescimento global pela terceira vez em menos de um ano, com novos números de Pequim mostrando que a economia chinesa cresceu no menor ritmo em 25 anos.

Para apoiar suas projeções, o FMI citou uma acentuada desaceleração no comércio da China e os preços fracos das commodities que estão prejudicando economias como as do Brasil e de outros mercados emergentes.

O Fundo prevê que a economia mundial vai crescer 3,4 por cento em 2016 e 3,6 por cento em 2017, ambos os anos com corte de 0,2 ponto percentual das previsões anteriores de outubro. O FMI disse que as autoridades devem considerar maneiras de impulsionar a demanda no curto prazo.

As previsões atualizadas do relatório "Perspectiva Econômica Global" vêm no momento em que os mercados financeiros globais são afetados pelas preocupações com a desaceleração da China e a forte queda dos preços do petróleo.

O FMI manteve suas previsões sobre o crescimento da China de 6,3 por cento em 2016 e de 6 por cento em 2017, o que representa uma forte desaceleração em relação 2015.

A China divulgou que seu crescimento em 2015 atingiu 6,9 por cento após um ano no qual a segunda maior economia do mundo sofreu grandes fugas de capital, uma queda de sua moeda e um tombo de seu mercado acionário.

Estes números aumentaram as esperanças de que Pequim vai trazer mais medidas de estímulos, o que levou a uma alta dos mercados acionários.

O Fundo disse que uma desaceleração maior da demanda na China continua sendo um risco ao crescimento global e que os dados mais fracos do que esperado das importações e exportações chinesas estão pesando com força sobre outros mercados emergentes e exportadores de commodities.   Continuação...

 
Logo do FMI na sede do fundo em Washington. 19/01/2016 REUTERS/Yuri Gripas