BC chinês não se apressará para cortar compulsório apesar de aperto da liquidez, dizem fontes

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016 10:43 BRST
 

XANGAI/PEQUIM (Reuters) - O banco central da China não vai se apressar para cortar a quantidade de dinheiro que os bancos têm que deter como reserva, apesar de um aperto da liquidez antes do Ano Novo Lunar, disse uma assistente do presidente do BC, de acordo com fontes.

O banco central "não vai cortar facilmente a taxa de compulsório dos bancos", disse a assistente Zhang Xiaohui a autoridades de bancos em uma reunião recente sobre gestão de liquidez, disseram as fontes com conhecimentos diretos do encontro.

"Por um lado, nós devemos manter liquidez razoável e adequada no sistema bancário, mas por outro lado devemos prestar atenção à pressão sobre a taxa de câmbio do iuan de perda excessiva de liquidez", disse ela.

Yi Gang, vice-presidente do banco central, afirmou na mesma reunião que o banco vai manter o iuan basicamente estável contra uma cesta de moedas.

O banco central chinês tem adotado uma série de medidas, incluindo intervenção nos mercados cambiais e adoção de controle de capital, para sustentar o iuan.

Zhang disse que o banco central pode usar outras ferramentas de política para adicionar liquidez no sistema bancário, uma vez que cortar a taxa de compulsório pode enviar um sinal forte de afrouxamento monetário, de acordo com as fontes.

Os movimentos do banco central para injetar mais de 600 bilhões de iuanes (91,19 bilhões de dólares) em liquidez antes do feriado do Ano Novo Lunar, em fevereiro, pode ser um substituto para um corte na quantidade de dinheiro que os bancos devem deter como reservas, disse o economista-chefe do banco central nesta semana.

A liquidez normalmente diminui antes do feriado de uma semana, que começa em 8 de fevereiro, e o banco central geralmente injeta grandes quantidades de dinheiro no sistema bancário antes das festividades para manter as taxas estáveis.