Dólar cai 1,32% frente ao real com bom humor externo

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016 17:18 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda de mais de 1 por cento em relação ao real nesta sexta-feira, refletindo a retomada do apetite por risco nos mercados globais em meio à recuperação dos preços do petróleo e a expectativas de novos estímulos econômicos na zona do euro.

O dólar recuou 1,32 por cento, a 4,1105 reais na venda, após avançar na véspera a um novo recorde de fechamento. Mesmo assim, a moeda norte-americana ainda acumulou alta de 1,60 por cento na semana.

"A queda do dólar nos mercados externos serviu de argumento para o mercado realizar um ajuste técnico depois da alta de ontem", disse o superintendente regional de câmbio da corretora SLW, João Paulo de Gracia Correa.

Os preços do petróleo subiam cerca de 8 por cento nesta sessão, com uma frente fria nos Estados Unidos e na Europa alimentando expectativas de maior demanda. A commodity vinha renovando nas sessões recentes as mínimas em 12 anos, pressionando a demanda por ativos de maior risco e de moedas ligadas a commodities.

A recuperação do bom humor nos mercados globais vinha também após o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, afirmar que o banco vai revisar sua política monetária em março, alimentando expectativas de mais estímulos.

No entanto, operadores esperam que a moeda norte-americana volte a ser pressionada nos próximos dias, em meio ao cenário turbulento externo e interno. A controversa decisão do Banco Central de manter os juros básicos nesta semana desencadeou forte pressão sobre os ativos brasileiros e deve manter elevada a volatilidade no mercado local.

"Não dá para virar a página e começar do zero, o mercado ainda está muito desconfortável com toda a incerteza que veio com a decisão do BC", disse o operador de uma corretora nacional.

O BC brasileiro realizou nesta manhã mais um leilão de rolagem dos swaps cambiais que vencem em 1º de fevereiro, vendendo a oferta total de até 11,6 mil contratos. Até o momento, a autoridade monetária já rolou o equivalente a 8,448 bilhões de dólares, ou cerca de 81 por cento do lote total, que corresponde a 10,431 bilhões de dólares.

(Por Bruno Federowski)