Iraque considera acordo global por corte de produção de petróleo, diz ministro

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016 11:16 BRST
 

BAGDÁ (Reuters) - O Iraque está pronto para participar de uma reunião extraordinária da Opep e até mesmo reduzir sua produção, hoje em rápida expansão, se todos os membros e não membros do grupo concordarem-- um acordo que, nesta fase, parece ilusório, afirmou o ministro das Finanças do país.

O ministro Hoshiyar Zebari afirmou, em entrevista, que o Iraque está disposto a participar de reuniões que a Venezuela pediu a fim de aumentar os preços do petróleo, que caíram para mínimas de 12 anos, perto de 30 dólares por barril.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) informou que está considerando um pedido da Venezuela para realizar uma reunião de emergência. A Venezuela também tem solicitado uma reunião de países membros e não membros da OPEP em fevereiro.

"O Iraque é um membro fundador da Opep, então nós definitivamente vamos participar, e a idéia seria de reduzir a produção de fato para impactar o preço do petróleo", disse Zebari.

"Não tenho certeza se nós vamos dizer sim para a Venezuela porque precisamos produzir mais, por causa dos desafios que temos, mas se houver consenso, uma decisão coletiva, então poderíamos participar disso."

Até agora, apenas a Argélia e Venezuela expressaram claramente o apoio a um corte de produção, disse ele. O membro da Opep Arábia Saudita e a Rússia, um exportador não-membro da Opep, disseram não à iniciativa, Zebari acrescentou.

"Outros países, como os sauditas e os BRICS eu acho que não (apoiariam redução de produção), disse ele, referindo-se ao grupo que inclui Rússia e o Brasil, também um grande produtor, além de Índia, China e África do Sul.

Segundo Zebari, há "sinais animadores" de que os preços podem se recuperar mais adiante neste ano, com uma menor produção do petróleo de xisto dos EUA, cujos produtores têm custos mais elevados.

(Por Maher Chmaytelli e Samia Nakhoul)