Wall St salta na última sessão do mês; S&P tem pior janeiro desde 2009

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016 20:20 BRST
 

Por Noel Randewich

(Reuters) - Os principais índices acionários dos Estados Unidos subiram mais de 2 por cento nesta sexta-feira, após o banco central do Japão cortar a taxa de juros do país e a Microsoft liderar forte alta das ações de tecnologia, diminuindo o estrago no pior janeiro para o S&P 500 desde 2009.

O índice Dow Jones subiu 2,47 por cento, a 16.466 pontos, enquanto o S&P 500 ganhou 2,48 por cento, a 1.940 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 2,38 por cento, a 4.613 pontos.

Sofrendo com o colapso nos preços do petróleo que alimentaram dúvidas sobre a saúde da economia global, o mercado acionário teve um início de ano volátil. Em determinado momento na semana passada, a queda do S&P 500 acumulada no ano chegava a 11 por cento no ano, antes de se recuperar para encerrar o mês com queda de 5 por cento.

"O sentimento certamente oscilou para um território bastante negativo. No curto prazo, eu não tenho certeza se o recuo no sentimento que vimos foi justificado", disse o presidente da Addison Capital Management, Michael Church.

"O que acontece se não houver recessão? O que acontece se a China se estabilizar e o Fed não aumentar os juros de forma agressiva?"

O mercado acionário global ganhou um impulso surpresa após o banco central do Japão cortar a taxa de juros para abaixo de zero na tentativa de estimular a economia.

As ações da Microsoft saltaram 5,83 por cento, repercutindo resultado trimestral melhor do que o esperado da gigante de tecnologia. A empresa exerceu a maior influência de alta no S&P 500 e no Nasdaq e ajudou a levar o setor de tecnologia do S&P a subir 3,6 por cento, maior alta diária desde agosto.

Na semana, o Dow Jones subiu 2,3 por cento, o S&P 500 ganhou 1,7 por cento e o Nasdaq avançou 0,5 por cento. Em janeiro, o Dow acumulou queda de 5,5 por cento, enquanto o Nasdaq perdeu 7,9 por cento, sua maior queda mensal desde maio de 2010.