CGG Trading projeta competição mais acirrada no mercado de grãos da Argentina

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016 09:20 BRST
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO (Reuters) - A trading brasileira de grãos CGG projeta uma competição mais acirrada no mercado argentino após a liberalização das exportações realizada pelo governo federal, disse à Reuters o novo presidente da operação da companhia no país vizinho.

"O cenário vai ser mais competitivo. Agora é um mercado aberto, com concorrência. O nível de margem (da comercialização) pode não ser tão grande quanto foi no passado", afirmou o executivo Ismael Blum Menezes, que assumiu em janeiro o posto ocupado por Alexandre Cavalcanti.

O novo presidente da Argentina, Mauricio Macri, eliminou em dezembro as tarifas sobre as exportações de milho e trigo, como parte de seu plano de revitalizar o setor agrícola do país, depois de anos de conflitos entre produtores rurais e governo.

Também reduziu as tarifas de exportação de soja, principal cultivo do país, de 35 por cento para 30 por cento.

A CGG Trading movimentou cerca de 4,5 milhões de toneladas de grãos em 2015, sendo 1 milhão por meio da divisão na Argentina, que coordena também negócios realizados no Uruguai e no Paraguai.

A expectativa do novo executivo da empresa na Argentina é repetir o volume de 1 milhão de toneladas em 2016, majoritariamente soja e milho, mas também trigo, cevada e sorgo.

Contudo, o plano é melhorar a margem obtida pela empresa nessa comercialização.

"Queremos fazer este ano com uma rentabilidade um pouco maior", disse Menezes, admitindo que a estimativa é conservadora, em meio ao cenário de maior interesse global por grãos argentinos.   Continuação...